PARTE 03 | HISTÓRIA DAS CADEIRAS

ANOS 80 A DÉCADA PERDIDA?


Se na economia, muitos consideram a década de 1980, a década perdida, o mesmo não pode ser dito do campo das artes, em especial no "despego" ao formal, permitindo experimentações "sem filtros". Se os adolescentes de hoje, consideram a geração anterior "cringe", o que será que eles pensariam dos anos 1980?

Durante a década de 1980, o computador "tomou de assalto" todas as mesas de todos os escritórios do mundo. Consequentemente, as lesões relacionadas ao seu uso também aumentaram. Com isso, uma série de cadeiras ergonômicas surgem, com a intenção de proporcionar diferentes posturas durante o trabalho. Um bom exemplo desse movimento, foi a cadeira Capsico.



Cadeira modelo Capsico, produzida pela Norueguesa Hag
Cadeira Capsico | Hag

Produzida pela Norueguesa Hag, com seu desenho "inusitado", a proposta da cadeira Capsico, era proporcionar diferentes posturas ao longo do dia, em função das diferentes necessidades do trabalho. O conceito por trás da cadeira, é o de proporcionar a alternância de postura do corpo, reduzindo a fadiga causada por longas horas no escritório, "provocando" o corpo a se movimentar, entendendo que o movimento é algo natural ao ser humano.



Ilustração que mostra as diferentes possibilidades de uso para a cadeira Capsico da Hag
Possibilidades de Uso | Cadeira Capsico


As cadeiras da Hag são produzidas até hoje, e podem ser facilmente encontradas na Internet, nas mais variadas possibilidade de cores e materiais.


Ainda nos anos 1980, o Dr. Jerome Congleton, com base em pesquisas realizadas pela NASA, apresenta uma cadeira, que ele define como "a postura natural do "empoleiramento" de gravidade zero", conhecida como "Pos Chair".



Cadeira desenvolvida pelo Dr. Congleton, com assento moldado de acordo com as curvas humanas, proporcionando a sensação de "gravidade zero"
Cadeira Pos Chair | Dr. Jerome Congleton

Ainda na década de 80, a empresa Alemã Wilkhahn, apresenta a cadeira FS, que redefiniu o "movimento da cadeira". Através de um sistema de movimentação simultâneo (porem distinto), entre o encosto e assento.


Concebida por dois jovens designer, Klaus Franck e Werner Sauer, que entenderam que permanecer sentado, não era algo naturalmente saudável, o projeto da cadeira FS, tinha como premissa, devolver aos adultos no escritório, sua mobilidade natural.


Após estudos intensivos, eles desenvolveram a linha de cadeiras FS, que revolucionou a indústria moveleira de escritório. Desde então, foram produzidas mais de 40 variações desta cadeira, tendo vendido milhões de unidades em todo o mundo, a premiadíssima cadeira FS, é fabricada até os dias atuais pela Wilkhahn, e foi amplamente comercializada também no Brasil, pela empresa Escriba, que além de importador oficial da companhia Alemã, aqui no Brasil, também produziu ao longo de décadas, uma versão "tropicalizada" da cadeira, homologada pela própria Wilhhahn.


O princípio da cadeira é bastante simples: A concha de assento altamente flexível, se ajusta automaticamente a qualquer mudança de postura. O termo técnico para esse movimento é: "ajuste automático de síncrono", mas seus criadores, preferem chamar de: "Sentando sem carteira de motorista".



Cadeira de escritório modelo FS, fabricada e comercializada pela empresa Alemã Wilkhahn
Cadeira FS | Wilkhahn

ANOS 90, SEJA BEM VINDO, APOIO DA LOMBAR!


A cadeira Aeron, é provavelmente a única cadeira de escritório ergonômica que pessoas fora do mundo das cadeiras, a conhecem pelo nome. Desenvolvida por William Stumpf e Donald Chadwick para a Herman Miller, foi lançada em 1994. No Brasil, a cadeira popularizou-se, por ser o modelo escolhido pelo apresentador de "talk show" Jô Soares, sendo ela, parte integrante do cenário do programa.


A cadeira inovava no uso de suporte para a lombar, graças a aplicação de uma almofada moldada na parte de trás do encosto em tela, com a função de dar sustentação à lombar. Tamanho impacto foi reconhecido por diferentes museus pelo mundo, como por exemplo o MoMA em Nova York, que tornou a cadeira parte do seu acervo permanente.


Vinte anos após seu lançamento, a cadeira Aeron foi "remasterizada", agregando as mais novas descobertas da "ciência do sentar", além de agregar avanços em materiais, fabricação e tecnologia. Porem sob supervisão do seu co-criador Chadwick, manteve em sua essência, os conceitos que a criaram nos anos 1990.


Além desses detalhes de engenharia, o que tornou a cadeira Aeron revolucionária, foi a sua forma de comercialização. Ao invés dos tradicionais modelos "secretária, executiva, diretor e presidente", a cadeira é vendida em três tamanhos: A - Pequena, B - Média e C - Grande. Esse conceito, promove a ideia de que a cadeira deve se ajustar ao indivíduo, e não ao seu cargo, ou hierarquia no local de trabalho, e que assim como um sapato, a cadeira deve "vestir" conforme o usuário, e não conforme o seu cargo.



Cadeira de escritório, com encosto em tela, e apoio para a lombar articulado e regulável.
Cadeira Aeron | Herman Miller

ANOS 2000: COMO SABER SE UMA CADEIRA É BOA?


Desde o início deste século, diversas cadeiras impressionantes surgiram. Porem, neste mesmo período a palavra ergonomia tornou-se totalmente sem sentido. Embora existam muito mais pesquisas sobre o assunto, ainda não há um padrão para se definir uma cadeira ergonômica. Os ergonomistas são os primeiros a dizer que, apesar do campo de estudo deles, ser baseado em pesquisas concretas, estudando o corpo e suas formas, é ainda sim um campo cheio de subjetividades, sendo atormentados ainda por perguntas impossíveis de se responder como: "O que é conforto?", ou "O que procurar em uma cadeira de escritório?". A cadeira de escritório deve produzir relaxamento? Deve nos encorajar em nos mover? Ou nos encorajar em permanecer estáticos ao longo do dia?


Curiosamente, um número crescente de ergonomistas, vem optando pelo "não uso das cadeiras" como solução de ergonomia, defendendo o uso de mesas com ajuste de altura, para que as pessoas possam trabalhar em pé. Tendência esta, que vem sendo adotada por alguns designer e arquitetos, que desenvolvem opções de mesas do tipo "stand up".

Outros ergonomistas porem, defendem que não devemos "desistir" das cadeiras. Eles afirmam que o uso de um único tipo de cadeira, com grande quantidade de ajustes, faz com que seus usuários ignorem a importância de encontrar a cadeira correta para cada indivíduo e atividade a ser executada. Eles sugerem que os usuários são sobrecarregados com inúmeras possibilidades de ajuste que eles não sabem utilizar, deixando de tirar todo o proveito da engenharia dos quais eles estão sentados.


MAS EXISTE A CADEIRA PERFEITA?


Infelizmente para aqueles que querem uma resposta simples, a resposta é que não há. Nunca haverá uma cadeira perfeita, que se encaixe para todos, durante todo o dia. Da mesma forma que não existe o sapato perfeito, para todos os pés em todas as ocasiões. É claro que algumas cadeiras, assim como alguns sapatos, são melhores que os outros. Se você tentar correr usando uma salto, provavelmente você irá se machucar. Mas se você prestar atenção na interação dos seus pés com diferentes modelos e tamanhos de sapatos, e como você se sente com eles, poderá evitar lesões. E assim como nos sapatos, o processo de escolher uma cadeira adequada, passa pelo mesmo processo.



REFERENCIAS:


http://www.slate.com/articles/life/design/2012/05/ergonomic_office_chairs_a_visual_history_photos_.html

https://en.wikipedia.org/wiki/Centripetal_Spring_Armchair

https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/188120

https://merchantandfound.com/tan-sad-from-pushchairs-to-furniture/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ergonomia

https://www.flokk.com/global/hag/about-us

https://www.wilkhahn.com/en/products/office-swivel-chairs/fs-line

https://corporativo.arqbrasil.com.br/2489/cadeira-aeron-em-filmes-e-series/

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo