top of page

Design completa 100 anos de idade


Logo após o fim da primeira guerra mundial em 1919, ano em que a Alemanha assinava o humilhante Tratado de Versalhes, nascia dentro do movimento modernista alemão, a semente do que viria a influenciar desde a arquitetura das fábricas até o desenho dos icones do seu smartphone. Liderados pelo arquiteto Walter Gropius, em Abril de 1919, era lançado na cidade de Weimar (considerada a Atenas da Alemanha), o manifesto da Bauhaus (leia integra no final do post).

Bauhaus - 100 anos

A ação deles provocou alterações duradouras na história da arquitetura e das artes em geral. Criava-se então, a aliança entre a estética e a tecnologia, entre o artista e a indústria.

Até então, artistas e artesãos atuavam em universos diferente . Os artistas, se viam como um espécie de aristocratas das belas artes, enquanto os artesão, humildes, se viam no máximo como Hefesto, o deus corcunda da forja que, infeliz, forjava o ferro na bigorna, suando em meio às labaredas e às ferramentas ardentes.

Um dos primeiros propósitos da fundação da Bauhaus, em abril de 1919, foi a superação desse estigma através da educação do "artista-artesão", tornando o aluno capaz de conceber um objeto esteticamente relevante e ao mesmo tempo executá-lo em conjunto com outros profissionais.

Com esta premissa, o jovem arquiteto Walter Gropius, providenciou a fusão da Escola de Artes e Ofícios (a Kunstgewerbeschule), com a Escola de Belas Artes (a bildende Kunst), formando a célebre Bauhaus.

Folder - Bauhaus e seus produtos icônicos

Vale lembrar, que o pós primeira guerra, lançou sobre a humanidade uma desconfiança a cerca da tecnologia, varrendo para debaixo do tapete a visão positivista de futuro, vivenciada no século 19. Os intelectuais da época, passaram a abominar a tecnologia. Mas a visão da Escola Bauhaus, era de que a mesma tecnologia que causou destruição, deveria reerguer a Alemanha, com aço, cimento e vidro.

Para isso, a escola adotou uma estética que representasse o domínio da tecnologia, com o uso de formas geométricas e total despojamento decorativo. Algo que gerou mau estar na Alemanha, por se parecer com o "novo mundo", em especial aos Estados Unidos.

Este rompimento com o passado Barroco e à Art Nouveau, arrefeceu paixões extremadas, como o patriotismo e o nacionalismo exacerbado, presentes na primeira guerra. Tal posicionamento da escola, viriam a colocar a escola em "rota de colisão", com os objetivos do "Führer", anos depois.

Após os primeiros anos em Weimar, a Bauhaus, mudou-se para Dessau em Fevereiro de 1925. O principal motivo da mudança, deveu-se ao governo local (nas mãos de partidos ultra-direitistas), acreditar que a escola traia aos "valores nacionais e a germanidade", e que tais movimentos "sufocavam a massa saudável de jovens artistas alemães". Alem é claro, de acusar a escola de "Kulturbolchevismus", ou em termos modernos "Bolchevismo Cultural".

Fachada da Escola Bauhaus em Dessau

Em Dessau, ergueu-se o icônico edifício da escola, influente até os dias atuais. Tal construção, abrigava tanto o prédio principal (onde se davam as aulas), bem como uma série de outros edifícios (oficinas e habitação dos estudantes), fazendo representar-se a "integração arte-artesanato" também no conjunto arquitetônico.

Deste local, "nasciam" dos atelies da escola, os móveis com design futuristas, confeccionados em couro, plástico, madeira e aço, que encantam até hoje os olhares atentos de arquitetos, designers e decoradores, com o estilo funcional, que marcou a escola.

Poltrona Barcelona

Poltrona Wassily

A partir de 1930, com o avanço do partido nazista, a sobrevivência da escola ficava comprometida. O partido propôs a demolição do prédio da Bauhaus, pois a via como um "centro artístico hebraico-marxista" denominando-a, como "Catedral do Socialismo".

Finalmente, em 20 de julho de 1933, (apenas seis meses após a ascensão de Hitler ao poder) a escola Bauhaus teve suas oficinas e salas de aula fechadas definitivamente.

Ao seu corpo docente, restou apenas o caminho do exílio. Atravessando o Atlântico, o "estilo Bauhaus", aclimatou-se facilmente no "Novo Mundo", impulsionando diversos movimentos modernistas do século 20 (inclusive no Brasil, com seu clímax, na semana da arte moderna de 32).

O Manifesto:

“O fim último de toda a atividade plástica é a construção. Adorná-la era, outrora, a tarefa mais nobre das artes plásticas, componentes inseparáveis da magna arquitetura. Hoje elas se encontram numa situação de auto-suficiência singular, da qual só se libertarão através da consciente atuação conjunta e coordenada de todos os profissionais. Arquitetos, pintores e escultores devem novamente chegar a conhecer e compreender a estrutura multiforme da construção em seu todo e em suas partes; só então suas obras estarão outra vez plenas de espírito arquitetônico que se perdeu na arte de salão.

As antigas escolas de arte foram incapazes de criar essa unidade, e como poderiam, visto ser a arte coisa que não se ensina? Elas devem voltar a ser oficinas. Esse mundo de desenhistas e artistas deve, por fim, tornar a orientar-se para a construção.

Quando o jovem que sente amor pela atividade plástica começar como antigamente, pela aprendizagem de um ofício, o "artista" improdutivo não ficará condenado futuramente ao incompleto exercício da arte, uma vez que sua habilidade fica conservada para a atividade artesanal, onde pode prestar excelentes serviços. Arquitetos, escultores, pintores, todos devemos retornar ao artesanato, pois não existe "arte por profissão". Não há nenhuma diferença essencial entre artista e artesão, o artista é uma elevação do artesão, a graça divina, em raros momentos de luz que estão além de sua vontade, faz florescer inconscientemente obras de arte, entretanto, a base do "saber fazer" é indispensável para todo artista. Aí se encontra a fonte de criação artística.

Formemos, portanto, uma nova corporação de artesãos, sem a arrogância exclusivista que criava um muro de orgulho entre artesãos e artistas. Desejemos, inventemos, criemos juntos a nova construção do futuro, que enfeixará tudo numa única forma: arquitetura, escultura e pintura que, feita por milhões de mãos de artesãos, se alçará um dia aos céus, como símbolo cristalino de uma nova fé vindoura."

Walter Gropius (Weimar, abril de 1919)

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page